Aromaterapia como Alternativa para o Bem Estar e a Cura


Por: Gláucia Sumar Publicado em 11 em outubro 2003 no site Bemzen

Muito se fala sobre medicina alternativa, entretanto, gosto de tratar o assunto como terapia complementar, já que o termo "medicina" pode parecer a alguns pretensioso, ou mesmo a palavra "alternativa" pode ser confundida como "substitutiva". E de fato, não se trata nem de uma coisa, nem de outra. A Aromaterapia é como uma volta ao nosso estado natural, ou seja, mais humano. Lembro-me de meu avô fazendo chazinho de hortelã contra dores no estômago, chás de erva doce contra gases e xarope de agrião com folhas de eucalipto para a tosse. Meu avô não cursou universidade, ou fez curso de fitoterapia. Apenas, através da tradição oral, aprendeu e utilizou o que a natureza oferecia com aquela segurança que a sabedoria popular e a experiencia real, nos permite ter.

Fui apresentada à AROMATERAPIA,na França, onde é praticada há muitos séculos inclusive na forma oral. É preciso procurar conhecer tais terapias, sem preconceitos, é desta forma que vamos aprendendo a aprofundar o conhecimento desses óleos maravilhosos que vão nos ensinando do que eles são capazes de fazer e isso de forma simples e eficaz.


Entretanto, a ciência está presente neste tipo de tratamento, pois o que cura, é o princípio ativo contido em todas estas ervas, flores, resinas, folhas, etc. Porém não é só isto, pois o que determina a cura nestes casos, não é tão somente o princípio ativo das plantas, e sim, os efeitos que o aroma causam no ser humano, sendo determinado pelo próprio usuário. É seu nariz que determina se um aroma será bom ou ruim para você. O bem estar começa pelo “prazer” que determinado aroma lhe causará. Ao inalar um óleo essencial, este ativa três tipos de memória olfativa –Pessoal- é o registro do momento em acordo com a condição naquele momento e com seu biótipo ou tendências de sua personalidade.Cultural (territorial)- todos os cheiros e gostos que provamos na infância e ao longo da vida na região onde vivemos e crescemos.Genética- memória da natureza que está em todos os seres humanos desde os primórdios de acordo com o tipo de raça.

Os aromas vão diretamente para o cérebro através do sistema límbico, ativando também as glândulas do sistema endócrino, que induzirá a produzir alguns hormônios, como a adrenalina, ou a endorfina, gerando um equilíbrio fisiológico e emocional.

Na realidade, quem determina o óleo a ser usado, é a própria pessoa, aliado aos conhecimentos do profissional de AROMATERAPIA que pode se basear em diferentes formas de anamnese para chegar a um diagnóstico mais preciso.

Todas as folhas, flores, frutas, resinas, especiarias e sementes, têm uma personalidade específica, que na maior parte das vezes, analisando aroma, formato e até o lugar onde nascem, vão estar em perfeita consonância com a personalidade de quem os usa. Também pode ser considerada flexível e generosa, uma vez que a Aromaterapia combina-se bem com os mais diversos tipos de tratamentos. Penetrando na pele, os óleos essenciais penetram na corrente sangüínea e agem nos órgãos internos,estimulando ou sedando,e excretando as quantidades não metabolizadas. Pode-se fazer isto através de cremes e óleos corporais, massagens, tratamentos estéticos, compressas etc... Além de tudo isto, a Aromaterapia é prazerosa, mexe com nossas emoções, nossos sentimentos, nossa VIDA. Desta forma, cada óleo essencial agirá de uma forma diferente no nosso corpo, físico mental e emocionalmente, de acordo com sua composição química. Por isto, podemos dizer que a Aromaterapia é Holística, pois podemos atacar diversos males sob todos os aspectos, pois não podemos tratá-los isoladamente

História da Aromaterapia:

Há mais de seis mil anos, alguns povos já conheciam o poder das substâncias aromáticas. Flores, folhas, raízes, cascas, resinas e sementes eram utilizadas para produzir medicamentos naturais. Assim nasceu a AROMATERAPIA, MEDICINA MILENAR QUE UTILIZA ÓLEOS ESSENCIAIS 100% PUROS.
A Aromaterapia tem suas origens no uso de ervas para fins curativos, religiosos e estéticos. Civilizações como Egito, China e Índia usavam ervas para os mais diversos fins e de formas variadas. A destilação dos óleos essenciais ocorreu apenas em 1.000 d.C. e revolucionou o mercado de perfumes internacional. No século 16, os alquimistas já acreditavam ser o óleo essencial a parte da planta responsável em produzir a cura. A Aromaterapia como é hoje conhecida é relativamente recente, descoberta quando René-Maurice Gatefossé, um químico francês sofreu um acidente em seu laboratório e providencialmente mergulhou seu braço ferido em um pote de lavanda, percebendo que com isto, seus ferimentos não infeccionaram e cicatrizaram rapidamente. Após este incidente, passou a pesquisar os poderes dos óleos essenciais, cunhando o termo Aromaterapia.

Tudo isto no início do século 19, na França, sendo o precursor de muitos outros estudiosos na Europa, como Jean Valnet, Marguerite Maury e Robert Tisserand, do Instituto Tisserand, um dos maiores expoentes da atualidade em Aromaterapia.

Além de atuarem no bem-estar do corpo, da mente e da alma, os óleos essenciais contêm uma variedade enorme de componentes químicos que variam em cada espécie de planta, e também são conhecidos pelas suas grandes propriedades bactericidas e terapêuticas. Em geral, o método de extração é feito através de destilação a vapor d'água.

Como agem os óleos essenciais

Através do olfato, nossos nervos olfativos assimilam o odor dos óleos essenciais, que em poucos segundos é levado por células especializadas ao sistema límbico (área cerebral onde se processam as informações do olfato e também responsável pelas emoções). O sistema límbico está intimamente ligado ao hipotálamo, (região no centro do cérebro), que coordena os estímulos que vão desencadear respostas em todo o corpo. Nessa região são produzidas as sensações de sede, fome, sexualidade, memória, entre outras. Ao utilizar os óleos essenciais, reativamos todos esses instintos mais primitivos do ser humano. Cada óleo essencial se divide em grupos químicos com diferentes propriedades. Assim, cada tipo exerce uma função.

Como funciona a Aromaterapia:
Podemos absorver o óleo essencial através da pele e do nariz, que são as vias mais seguras.Na pele deve-se tomar cuidado extra, para evitar reações alérgicas, sensibilizações, queimaduras, irritações, etc. Para o uso seguro, deve-se diluir os óleos essenciais em veículos carreadores, como cremes neutros e óleos vegetais. Penetrando na pele, os óleos essenciais entrarão na corrente sangüínea e agirão nos órgãos internos, sendo excretadas as quantidades não metabolizadas. Pode-se fazer isto através de cremes e óleos corporais, massagens, tratamentos estéticos, compressas, etc.

Via olfato deve-se tomar cuidado com tempo de exposição e concentração. Uma parte do aroma inalado vai para os pulmões via traquéia, penetrando nos brônquios, bronquíolos e alvéolos, passando para a corrente sangüínea nas trocas gasosas, agindo da mesma forma da penetração cutânea. Outra parte do aroma vai para o cérebro, atingindo o Sistema Nervoso Central e mais especificamente o Sistema Límbico, que é nosso antigo Cérebro das Emoções, responsável por nossas emoções, nossos comportamentos, nossa memória e nossos humores. Para esta via, pode-se usar aromatizadores pessoais, à vela ou elétricos e pot-pourris.

Posso afirmar que não é apenas um caso de ver para crer,
e sim de cheirar para se apaixonar, e se curar.
Bom caminho em meio aos aromas !
==========

essa excelente postagem é da minha amiga/ex-colega do Curso de Aromatologia com o Prof. Fábian Lázlo, sendo que ela já é Aromaterapeuta há muito tempo atuando na França.
Para Contatos:
21-98867706 - e-mail: glausumar@yahoo.com.br

Andreia


Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA FEDERAL E A HOMEOPATIA

O Templo das Emoções