Medicina ayurvédica

Bálsamo das Índias
Medicina ayurvédica conquista cada vez mais brasileiros
e chega até em spas

Lia Bock
Los Alamos/Divulgação
Antes da massagem, é aplicado um óleo específico para cada indivíduo

O nome é estranho. Mas o fato é que a medicina ayurvédica está deixando a Índia, de onde é originária, para conquistar cada vez mais brasileiros. Com bases que pregam o equilíbrio e a harmonia como os caminhos para uma boa saúde física e emocional, a terapia está encontrando por aqui crescimento expressivo. Estão se multiplicando, por exemplo, clínicas que oferecem massagem ayurvédica e os cursos que capacitam massagistas na técnica. Até spas estão usando a técnica para a perda de peso de forma zen.

A medicina ayurvédica tem mais de cinco mil anos. Seu nome é derivado da palavra em sânscrito ayurveda, que significa conhecimento da vida (ayur é vida e veda conhecimento). Sua meta é a prevenção das doenças, feita a partir de uma forma de viver que permita ao indivíduo ficar em harmonia consigo e com a natureza, evitando, dessa forma, o surgimento de problemas físicos e emocionais. “A medicina ayurvédica prega a sintonia entre o corpo e a mente”, definiu à Istoé o endocrinologista indiano Deepak Chopra. Considerado um dos maiores especialistas na técnica, o médico acredita que a melhor forma de fazer essa ligação é a prática da ioga, das artes marciais e da meditação.

A medicina ayurvédica tem um modo peculiar de tratar o ser humano. De acordo com a terapia, tudo o que há no planeta, inclusive o homem, é composto pelos cinco elementos da natureza: espaço (também chamado de éter), ar, fogo, terra e água. E é a partir da combinação desses elementos que são construídos os três conjuntos de características físicas e psicológicas que dão origem a três perfis de seres humanos. Esses perfis são chamados de dosha. Cada dosha é formado no mínimo pela combinação de dois elementos, mas sempre há predomínio de um deles.
Ricardo Giraldez
Carla encontra tempo e faz meditação para se fortalecer

Os três doshas são o Vata, o Pita e o Kapha. Nas pessoas Vata, o elemento predominante é o ar. Elas são alegres, criativas e ansiosas. Nos indivíduos Pita, o que manda é o fogo. Por isso, são empreendedores e objetivos. Já os Kapha têm predomínio da água. São equilibrados e calmos. Distúrbios como stress ou alimentação incorreta provocarão desequilíbrios nos elementos predominantes. A consequência será o surgimento de doenças relacionadas ao elemento atingido. No Pita, por exemplo, a tendência é o aparecimento de gastrite (sensação de queimação do estômago).

Para identificar o dosha de cada um, o médico ayurvédico obtém o máximo de informações, desde hábitos até o aspecto da língua e a temperatura das mãos do doente. É a partir da determinação do dosha que surge o tratamento. A terapia é feita com o uso de vários recursos. O primeiro é a mudança na alimentação. Quem é Pita, por exemplo, deve evitar alimentos picantes, já que para essas pessoas a digestão é mais difícil. Os pacientes também são orientados a praticar ioga e meditação e a submeter-se a sessões de acupuntura e massagem.

Leia mais: (Veja os links diretamente na fonte)

• Remédios feitos a partir de plantas
• Os centros de referência em medicina ayurvédica no Brasil
• Quem experimentou assina embaixo
----------
fonte: http://www.terra.com.br/istoe/1641/medicina/1641_balsamo_indias.htm

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA FEDERAL E A HOMEOPATIA

O Templo das Emoções